Monitoria remota garante auxílio a estudantes com dificuldades

Nem todo mundo tem método e disciplina para estudar sozinho e precisa de uma ajudinha a mais. Nestes casos, contar com o auxílio do monitor é fundamental para seguir os conteúdos ministrados sem atropelos. Mas e agora, com esse tal Regime Remoto, como fica? Fica tudo igual. Isso mesmo! Da mesma forma que as aulas on-line estão sendo realizadas ao vivo, nos dias e horários das aulas presenciais, os monitores das disciplinas também estão trabalhando normalmente neste regime. Para os mais tímidos, a opção até facilita.

Seja no Teams, Moodle ou por WhatsApp, a monitoria continua a todo vapor. Na PUC, são 571 monitores prontos para ajudar seus colegas. Os alunos do curso de Fonoaudiologia contam com o auxílio da acadêmica Raíssa Trindade para questões envolvendo a disciplina Audiologia Clínica l. Há dois semestres ela, que cursa o 6º período, tira dúvidas e ajuda os colegas a encontrarem soluções para os problemas que vão surgindo. Raíssa não esconde que o processo não é fácil, mas considera uma experiência única. “Estou conhecendo vários métodos de estudos on-line”, diz. Ela cita as plataformas utilizadas nas aulas, que contam com vários recursos didáticos. Além disso, para agilizar a comunicação, criam grupos de WhatsApp específicos para cada matéria. Nesses ambientes, ocorrem trocas entre os estudantes, um ajudando o outro. Raíssa faz questão de dar feedback aos colegas e lembra que “os monitores também estão empenhados em ajudar, seja em grupo ou individualmente, buscando ferramentas de fácil acesso”.

Monitores são fundamentais

Professora do curso de Psicologia, Ana Cândida destaca que o trabalho dos monitores é fundamental. “Quando inseridos na plataforma Teams, monitores e monitoras participam ativamente do processo de ensino-aprendizagem, estando à disposição dos estudantes para sanar dúvidas, realizar plantões on-line, interagir pelo chat e por videoconferência”, assinala. A professora lembra que a plataforma possibilita uma comunicação direta e acessível dos estudantes com os monitores, além de proporcionar formas de registro do trabalho de monitoria, das quais podem derivar trabalhos científicos e problemas de investigação sobre mediação pedagógica, tecnologias educacionais etc.

Ana Cândida ainda acrescenta que os monitores contam com várias opções digitais para realização das atividades com os estudantes e professores. “Além das plataformas oficiais, utilizam e-mail, apps de conversa e transmissão de conferências com áudio e vídeo, além de poderem criar estratégias pessoais como vídeo-aulas ou streaming no Youtube. A monitoria é uma ação importantíssima no momento em que vivemos, sobretudo para exercer mais um liame entre docentes e estudantes”.

Mesmas diretrizes

Coordenadora de Estágio, Monitoria, Egressos e Empresas Juniores (Caeme), a professora Marília Rabelo lembra que os monitores devem seguir as diretrizes da Política de Monitoria da PUC, que inclui o acompanhamento do processo de ensino e aprendizagem por meio das plataformas Teams ou Moodle. E acrescenta: a monitoria remota pressupõe os mesmos objetivos e as mesmas diretrizes do regime presencial.

Para Marília, os monitores têm o papel de facilitadores do processo, “possibilitando que o estudante aprofunde os conhecimentos teórico-práticos; contribuindo com a qualidade do ensino na graduação, no apoio aos professores e estudantes no desenvolvimento de exercícios e atividades acadêmicas, além de propiciar a interação entre os estudantes e professores”.

Como me adaptei à nova realidade

Raíssa Trindade é acadêmica do 6º período do curso de Fonoaudiologia da PUC Goiás. Morando sozinha em Goiânia, ela precisou criar uma nova rotina para conseguir desenvolver suas atividades acadêmicas no Regime Remoto, implantado de forma extraordinária na PUC Goiás devido a pandemia do novo coronavírus.

Raíssa Trindade é acadêmica do 6º período do curso de Fonoaudiologia da PUC Goiás.


“Antes da pandemia tínhamos uma rotina, estudos, faculdade e trabalhos fora ou dentro do ambiente da universidade”, conta. Com a suspensão das aulas presenciais, ela precisou reorganizar a rotina para evitar imprevistos na vida acadêmica. A manutenção das aulas em regime remoto, assinala, além de garantir a continuidade do semestre, tem sido aliada na saúde mental.

Estabelecer uma nova rotina também ajudou a acadêmica na divisão das tarefas ao longo do dia. “Pensei em horários para fazer cada coisa e estabeleci limites possíveis para mim”, conta. E uma dica: “aproveite esse tempo para ler, pesquisar e fazer cursos on-line. Com essa quarentena diversos sites disponibilizaram uma gama de cursos gratuitos”. Dica aceita. Inclusive, no plataforma de apoio aos estudantes da PUC Goiás, coronavírus.pucgoiasedu.br, você tem acesso a vários acervos, nacionais e internacionais.

Leia Mais
PUC Goiás abre vestibular para primeira turma de Odontologia