Lancheira ou lanchonete?

Jornada de estudo, às vezes intercalada pelo trabalho, torna a alimentação um desafio para quem passa boa parte do dia fora de casa

O câmpus se torna a segunda casa da maioria dos acadêmicos, de graduação ou de pós-graduação. As horas em sala de aula, biblioteca, laboratórios ou mesmo no pátio podem ocupar boa parte da rotina diária, longe da logística familiar, mas não podem impedir a alimentação, tão importante para a saúde e garantia da energia necessária aos estudos. É dessa forma que nos intervalos das aulas ou no final dos períodos, em cada área, em grupo ou sozinhos, estudantes realizam refeições, pequenos lanches ou até almoços, antes do início do próximo horário. Lanchonetes e lancheiras são as opções mais práticas, porque evitam deslocamentos. Ainda há quem prefira voltar em casa e garantir o almoço familiar, sempre tão atrativo, ou seguir para um restaurante ou barraquinha mais próximas. Qual a melhor escolha? Entre os critérios estão saúde, tempo e dinheiro. É preciso medir cada um deles para tornar as refeições do dia a dia um momento o mais prazeroso e saudável possível.

Foto: Weslley Cruz

Para a professora e nutricionista Thaísa Borges, o alimento preparado em casa tem mais chances de ganhar da concorrência externa, por causa dos ingredientes, frescor e modo de preparo. “As marmitas podem ser uma ótima opção para quem fica o dia todo fora de casa. Porém, é necessário atentar para o conteúdo das mesmas, já que muitos alimentos devem ficar sob refrigeração para evitar contaminação. Caso o estudante não disponha de equipamento de refrigeração nos locais de trabalho e/ou estudo, pode optar por se alimentar em locais próximos”, explica a professora. No caso de quem escolhe um estabelecimento comercial, ela indica observar a higiene do local e escolher os alimentos mais frescos sempre que possível. No cardápio, Thaísa sugere escolhas balanceadas que tenham carboidrato, proteína e fibra, além de elementos como zinco, presente nas carnes vermelhas, e outros que ajudam com as atividades dos neurotransmissores, colina, presente na gema do ovo, que contribui nos processos cognitivos, entre outros. “A alimentação do estudante deve ser equilibrada entre os grupos de alimentos e conter todos nutrientes, assim como para qualquer indivíduo, porém existem alguns nutrientes e fitoquímicos que podem auxiliar no desempenho dos estudos”.

Leia Mais
O desafio da ansiedade em meio a mudanças inesperadas