Cada postagem nas redes sociais é como a peça de um quebra-cabeça para compor a nossa identidade virtual, que estará disponível para contatos que vão de familiares a chefes. Todo o cuidado é pouco: não raro o que acontece na internet ultrapassa fronteiras e tem consequências reais. Uma vez na web, o controle sobre a informação é quase impossível

150817 - prof

Bastou a postagem de uma foto com uma informação equivocada no Facebook para que um pet shop de Goiânia se transformasse em alvo de comentários raivosos. A imagem de um cãozinho da raça boxer bastante magro viralizou, em julho. Famosos conhecidos pelo engajamento contra os maus tratos a animais – como a apresentadora Luisa Mell e a modelo Yasmin Brunet – compartilharam. Anônimos também. O estrago estava feito.
O filhote – esclareceria mais tarde a veterinária responsável pelo local, em entrevistas – havia emagrecido depois de passar pelo processo de desmama. Casos como esse estão longe de serem isolados e se espalham com a velocidade de curtidas, comentários e compartilhamentos nas redes socais (veja quadro). Uma vez na internet, é quase impossível controlar até a quem uma informação postada chegará.
Psicólogo e professor do Departamento de Psicologia da PUC Goiás, Flávio Borges credita ao impulso parte dos problemas criados com postagens que expõe a si e aos outros nas redes sociais. “Muitos não avaliam em longo prazo, mas esse tipo de ambiente tem outro lado: o contato com a realidade e suas consequências”, frisa.
Ele aponta uma educação para a presença na internet como a saída para evitar situações embaraçosas. “O contexto das redes sociais deveria ser permeado por regras que especificassem uma boa conduta nessas relações. O fato é que a internet acaba sendo um território on
de não há um preparo, um cuidado com aquilo que é feito”, pondera.

Identidade

Nessa corda bamba digital, mais do que bom senso é preciso se perguntar qual o objetivo de divulgar determinada informação ou posicionamento, pontua a professora do curso de Jornalismo da PUC Goiás, Lara Guerreiro. “No plano físico, temos o RG. Na internet, nossas postagens formam uma identidade virtual, que pode influenciar em vários aspectos da vida pessoa. O limite é o desejo. Como essa pessoa deseja ser vista pelos outros?”, explica.
A docente defende que as redes sociais sejam um espaço para a divulgação de histórias de sucesso pessoal, que raramente ganham amplo espaço em veículos de comunicação tradicionais. “Não é que todo mundo tem que ser feliz na internet. Mas é interessante contribuir com uma discussão saudável”, frisa.

 

Cabo de guerra

advogado Rafael Maciel

O advogado Rafael Maciel, presidente do Instituto Goiano de Direito Digital (IGDD).

Território democrático, a internet se transformou, ao longo do tempo, em um ambiente para discussão de ideias e de posicionamentos. Mas, a depender do tema, as redes sociais são o front de uma batalha onde a intolerância se torna a principal arma. Nesse cabo de guerra, é preciso exercitar o equilíbrio.
Quando a recomendação não é seguida, o assunto pode ir parar na Justiça. O advogado Rafael Maciel, presidente do Instituto Goiano de Direito Digital (IGDD), explica que a maioria dos crimes cometidos em redes sociais – geralmente contra a honra, como calúnia e difamação – são consolidados no Código Penal.
“A legislação prevê que a pena seja aumentada nos casos de crime contra a honra quando cometido em meio que facilite a propagação, como é a internet. Em termos de indenização, algumas decisões já têm entendido que quanto maior o alcance da postagem danosa, maior tem que ser a condenação de quem ofendeu”, explica.

Dicas para aparecer bem nas redes

1 – Não há segredo

Por mais que você se preocupe em apenas autorizar amigos a visualizarem suas informações e suas postagens, muitas vezes eles podem passar isso adiante através de recursos que as próprias redes sociais oferecem.

2 – Tudo o que você disser pode e será usado contra você

Se a internet já foi terra de ninguém, esse tempo passou. Hoje, existem profissionais especializados em localizar e provar quem cometeu crimes como injúria, calúnia e difamação na web.

3 – O que você mostrar em suas fotos também pode ser usado contra você

Fotos podem representar dois tipos de problemas: você se mostrar em uma situação que pode parecer engraçada para alguns e constrangedora para outros, e estar em uma foto que foi publicada por outra pessoa.

4 – Pega mal exibir toda e qualquer conquista financeira

Além de parecer exibição, é bastante perigoso expor sua vida financeira. Nem todos os seus amigos na rede social podem ter uma vida financeira tão confortável e esse tipo de exposição pode fazer você passar por esnobe.

5 – Você pode ser flagrado mentindo

Muita gente mente dizendo que está doente para poder faltar ao trabalho. Já pensou se seu chefe entra em seu perfil e você publica que está passeando no shopping?

6 – A primeira impressão é a que fica

Evite colocar no seu perfil aquela foto em que você aparece bêbado e desleixado. Não será essa a primeira impressão que você quer que o recrutador tenha ao procurá-lo em uma rede social.

7 – Gosto não se discute

Evite ser ofensivo ao criticar o gosto pessoal de seus amigos publicamente. A pessoa que foi criticada se sentirá ofendida, outros não entenderão o contexto e isso passará uma impressão ruim.

8 – Diga com quem andas e te direi quem és…

Evite participar de grupos como ‘Eu odeio meu chefe’, ‘Buteco da esquina’ ou ‘Até que enfim é sexta-feira’, que causam uma má impressão no recrutador .