Num mundo viciado em pessoas extrovertidas e empolgantes, os quietos vêm ganhado o merecido reconhecimento

As aulas mal começaram e seu professor já decretou: trabalho em grupo. Trata-se de um seminário a ser apresentado para os outros colegas na próxima semana. Imediatamente suas mãos começam a suar. O ritmo cardíaco muda, o coração bate mais rápido. “Queria tanto poder fazer sozinho”, você pensa. Fique sabendo que, de longe, isso não é um problema. Acontece que a maioria dos ambientes educacionais e de trabalho são desenvolvidos para pessoas extrovertidas. Ou seja, um ambiente cheio de estímulos sociais, explica a autora americana – e introvertida confessa, Susan Cain em seu livro O poder dos quietos: como os tímidos e introvertidos podem mudar um mundo que não para de falar.

Segundo Susan, essa necessidade de fazer com que as pessoas sejam extrovertidas ganhou força no começo do século XX, quando as grandes cidades começaram a se solidificar e a busca por trabalho fez com que a autopromoção se tornasse elemento-chave para o sucesso. A autora ainda coloca que, deste então, o mundo se encontra viciado nesta prerrogativa. Para a professora e articuladora do Programa Qualidade de Vida Acadêmica da CAE/PROEX/PUC Goiás, Maria Aparecida de Oliveira, é preciso ter cuidado. “Muitas vezes o mercado de trabalho e as escolas exigem esse padrão de comportamento extrovertido, categorizando as pessoas, o que prejudica e leva, muitas vezes, à exclusão”.

Introvertido X Tímido

Que fique claro: timidez e introversão não são a mesma coisa. “A timidez está relacionada ao medo do contato social. O tímido preocupa-se muito com a opinião do outro, tem medo do erro e da reprovação”, explica Maria Aparecida. Já o introvertido é caracterizado como um traço de personalidade. Significa que o indivíduo não sente necessidade de estar em um grupo de pessoas. “A interação social não o assusta, mas pode incomodá-lo, então prefere realizar atividades sozinho do que em grupo”, conclui.

As vantagens

WA2_8847

Elogiado pelos professores, o acadêmico do curso de Jornalismo, Alexandre Ferrari, se destaca não só pelo bom texto, mas por sua serenidade. De poucas palavras, o aluno do 6º período, prefere fazer os trabalhos sozinho. “Assim consigo sempre me dedicar para terminar antes do prazo de entrega, odeio ficar no dia da entrega correndo de um lado para o outro como já aconteceu diversas vezes.
Outro motivo é que eu acabo deixando com as minhas características, do meu jeito”, explica. Mas isso não significa que os introvertidos não saibam trabalhar em grupo, argumenta Susan Cain. Para a autora, é precisa dar espaço, promover o trabalho individual para só então integrar. Até porque, lembra a americana, como um ser social, os humanos são altamente influenciados por seus pares. Um fator favorável adicional ao trabalho individual vem de outro estudo comentado por ela. Em uma reunião grande, três pessoas costumam monopolizar a conversa por 70% do tempo. Péssimo, considerando que provavelmente elas não têm 70% das melhores ideias.

Outro ponto importante, aponta Susan, é a paixão dos introvertidos. Muitas vezes os quietos nem almejam cargos de liderança, mas por serem tão compenetrados e apaixonados pelo que fazem acabam chegando lá. Nomes como os de Bill Gates, fundador da Microsoft, Marissa Mayer, atual CEO do Yahoo, e Larry Page, fundador do Google ajudam a ilustrar esse time.

Sem-Título-13

 Assista a palestra completa da autora Susan Cain

SERVIÇO

Para quem quer melhorar suas habilidades de como iniciar e manter conversação ou aprender técnicas de como falar em público, os grupos do Programa Qualidade de Vida Acadêmica da CAE/PROEX da PUC Goiás podem ajudar bastante. Aqui o aluno é potencializado a desenvolver habilidades de controle do medo e da ansiedade, por meio do autoconhecimento e treinamento de habilidades sociais. “Várias pesquisas, inclusive publicadas, confirmam o resultado positivo quanto a aumentar a frequência de iniciar conversação, fazer perguntas em sala de aula, participar mais das aulas, apresentar seminários”, argumenta Maria Aparecida. Para mais informações sobre como participar, ligue 3946-1417.

info