Fotos: Flávia Paula

Fisioterapia obstétrica: técnica para tornar possível o parto natural

Vagas
110
Duração do Curso
4 anos e meio (9 semestres)
Turno
Matutino ou Noturno
FORMAS DE ACESSO
Vestibular Social, Vestibular Geral, Prouni, Fies.

Preparar, respirar e parir. O desafio de algumas mulheres para colocar uma criança no mundo pode se tornar mais fácil com o auxílio de um profissional da Fisioterapia. Com domínio de saúde da mulher, que inclui obstetrícia, quem realiza o preparo para o parto tem uma missão durante a gestação de promover o fortalecimento da pelve e a melhora da condição geral da gestante para facilitar o nascimento e evitar lacerações durante o processo. O trabalho é realizado previamente, mas algumas pacientes também contam com os profissionais na hora do parto, colocando este profissional em destaque nas maternidades do país.

A Fisioterapia entra na vida das gestantes no pré-natal e tem se tornado um importante campo de trabalho com as campanhas de conscientização sobre a humanização dos partos, com enfoque para a via natural de nascimento. Mas mesmo aquelas mães que serão submetidas a uma cirurgia cesariana podem ser preparadas para vivenciar melhor a gestação e se conectar com o próprio corpo.

O trabalho consiste em fortalecimento e alongamento de músculos específicos, exercícios aeróbicos orientados, conscientização corporal, correção de posturas inadequadas nas atividades de vida diária, exercícios de relaxamento e de respiração e, em alguns casos, massagem para evitar o inchaço causado pela gravidez.

Esta é a área de atuação de Marcela Guimarães de Almeida Magalhães, 27, que desde formada, em 2013, começou a lidar com os desafios da saúde da mulher. “A área me encontrou e comecei a estudar sobre as gestantes”, afirma a egressa da PUC Goiás, que foi indicada por uma professora da graduação para o primeiro trabalho já com gestantes.

É um momento para mim que é um milagre.”


Marcela Magalhães

A graduação deu uma base sobre o tema, mas ela fez curso de drenagem para gestante e pós-graduação em uroginecologia e obstetrícia. Também fez curso de doula para garantir sua entrada gratuita na sala de parto, que é prevista na legislação brasileira. No consultório, ela recebe pacientes a partir das 28 semanas de gestação e realiza todo o trabalho de consciência corporal, desde o conhecimento do períneo até a compreensão do processo fisiológico do parto.

A fisioterapia ajuda, sobretudo, no parto natural com mães dominando a força do corpo. Foto:
Flávia Paula

No parto, Marcela não segura as lágrimas. “É um momento para mim que é um milagre. Acho muito bonito a entrega da mãe e de quem está acompanhando. Ainda mais quando o nascimento é de forma humanizada e respeitosa, independente da via de parto”, que trabalha em equipe e acredita que a multidisciplinaridade é uma tendência na saúde.

A agenda cheia mostra que Marcela está no caminho certo. Atualmente ela desenvolve o trabalho junto a vários médicos obstetras e só em abril acompanhou oito partos, nos quais tem o papel fundamental de auxiliar a mulher a realizar a força expulsiva necessária e orientar a mobilidade pélvica ao nascimento pelas vias naturais.

A formação na universidade abriu caminhos para Marcela. Ela destaca os estágios, que a permitiram conhecer áreas que nunca trabalharia, como a UTI, até o primeiro contato com gestantes. Hoje ela sonha em ter um espaço para atendimento global das gestantes, como oferta de outras terapias.

Sobre o curso

O curso oferece estágio a partir do 6º semestre e, nos dois últimos, a dedicação dos alunos é praticamente exclusiva à prática profissional. “A formação oferecida pela PUC Goiás permite trabalhar em qualquer área. E nosso diferencial é que este formando sai sem medo do mercado de trabalho”, explica a coordenadora do curso, professora Larissa Mariana Veloso de Oliveira.
O projeto da graduação trabalha com áreas tradicionais, como Muscoesquelética, Neurologia e Cardiorespiratória. Mas também oferece formação nas áreas Desportiva, Preventiva, Fisioterapia do trabalho, Dermatofuncional e Saúde da Criança, do Idoso e da Mulher. “Procuramos formar um fisioterapeuta que enxergue o indivíduo de forma integral”, afirma Larissa, ressaltando que há muita oportunidade de trabalho em todas as áreas e ainda há mercado para os que se lançam em projetos de clínicas próprias ou trabalho de home care.

Durante o curso, além dos estágios, são oferecidas oportunidades de extensão nas Ligas Acadêmicas e nos projetos de Iniciação Científica, que favorecem a pesquisa. No espaço físico, os alunos têm acesso a diversos laboratórios e contam também com a estrutura de atendimento ambulatorial multidisciplinar da Clínica Escola Vida da PUC Goiás, para a realização dos estágios curriculares.

Você pode se candidatar a uma das 110 vagas do curso por meio da etapa geral do Vestibular da PUC Goiás e da etapa Social, com bolsa de 50% nas mensalidades. Nos dois processos, você pode realizar a prova ou utilizar as notas do Enem. A última edição do Exame também pode ser utilizada para se candidatar a uma vaga por meio do Prouni e garantir bolsa.

Este e outros 25 cursos de graduação fazem parte do Vestibular Social, que oferece bolsas de 50% na mensalidade até o final do curso. E é do seu jeito: faça prova ou use sua nota do Enem.

Leia Mais
Guardiões do patrimônio arqueológico