Fotos: Ana Paula Abrão

Coordenação pedagógica: conheça uma das diversas atuações possíveis para pedagogos (as)

O primeiro curso de Pedagogia, no Brasil, foi criado em 1939. Uma década depois, teve início o primeiro curso da área em Goiás, que ajudou a compor, poucos anos depois, a PUC Goiás. Tendo formado milhares de pedagogos para o estado e o país, o curso seguiu se destacando no mercado e na academia por sua excelência.

A carreira também foi ampliada e ressignificada com o passar dos anos. O mercado, hoje, não vê pedagogo como um formador infantil, mas visa um profissional que possa atuar em diferentes frentes de formação em espaços escolares e não escolares, como empresas, ONGs, instituições governamentais, hospitais, indústrias, entre outros. No espaço escolar, a atuação também alcança diferentes faixas etárias, incluindo adultos e idosos.”É um curso que abre um leque de muitas possibilidades”, explica a coordenadora Maria Cristina Mesquita.

Como tem um olhar mais abrangente da educação, esse profissional também costuma se destacar na coordenação e estruturação de ambientes de ensino. É o caso da egressa Ana Karolina Borges e Siqueira, uma das coordenadoras pedagógicas do Centro Educacional Mabel, escola bilíngue em Goiânia.

“Ingressei assim que me formei, assumindo o ensino fundamental. Depois fui convidada a ficar mais períodos e a assumir a coordenação pedagógica das crianças”, conta. No dia a dia como coordenadora, engana-se quem acredita que o trabalho se restrinja aos afazeres administrativos: além de acolher demandas de pais, educandos e educadores, Ana Karolina ainda exercita a docência, assumindo algumas turmas. “Vejo a vivência em sala de aula como um dos pontos da coordenação pedagógica, justamente porque assim a minha avaliação pode ser ainda mais significativa”, explica.

Conheça o curso

O curso de licenciatura em Pedagogia está instalado na Escola de Formação de Professores e Humanidades, no Setor Leste Universitário. É ofertado nos turnos matutino e noturno e tem duração de oito semestres (quatro anos).

O estágio é obrigatório para todos os acadêmicos a partir do quarto semestre e tem duração total de 420 horas. A carga horária é grande porque a prática profissional irá te guiar, para suas reflexões dentro do curso. Quer um exemplo? No quarto período, sua atuação será mais de observação. No semestre seguinte, você entra com um projeto de intervenção voltado para a educação infantil, no mesmo lugar em que estagiou no semestre anterior. Depois, o mesmo ocorre, também em dois semestres, na segunda etapa do ensino fundamental. A monografia, que é o trabalho de conclusão aceito no curso, também partirá das reflexões dessa vivência. “O estágio é sempre numa perspectiva de pesquisa, de análise, não numa perspectiva de substituição de professores”, explica a coordenadora.

Oportunidades

Assim como em outros cursos de licenciatura da PUC Goiás, as oportunidades para o estudante de Pedagogia são diversas. Além de bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), o aluno pode concorrer a bolsas de Iniciação Científica e de intercâmbio. A atuação como voluntário em projetos de pesquisa e extensão também é amplamente difundida no curso.

E tem mais! Para além do estágio obrigatório, acompanhado por um professor e em horário de aula, você ainda poderá realizar estágios não obrigatórios, se quiser, em uma das diversas áreas disponíveis para pedagogos aprendizes. O curso inteiro foi pensado para permitir que a vivência do trabalho não fosse um problema para os alunos – justamente por isso, a empregabilidade é tão alta entre egressos!

Quer mais motivos? Em uma universidade tão grande quanto a PUC Goiás e uma escola tão integrada como a EFPH, os estudantes podem, com facilidade, participar de diversos eventos científicos e culturais interdisciplinares, enriquecendo seu olhar científico, cultural, estético e social.

Apoio estudantil

Se precisar de auxílio para ingressar ou permanecer na universidade, o/a estudante pode contar com bolsas de estudo como as do Vestibular Social (50%), do Prouni e da OVG; bolsas de atuação específica, como as de Iniciação Científica (Pibic/CNPq e BIC/PUC); com financiamentos como o Fies, o Pode PUC e o PraValer.

Este e outros 43 cursos de graduação fazem parte do Vestibular Geral. E é do seu jeito: faça prova ou use sua nota do Enem.

Leia Mais
10 coisas que você não pode perder no Congresso de Ciência e Tecnologia